Notícias



A Cristolândia na batalha contra o Coronavírus

Há mais de dez anos, a Cristolândia tem transformado vidas, através do Evangelho, e tem prevenido e combatido o uso indevido de drogas e substâncias psicoativas, reinserindo homens e mulheres no convívio social e familiar. Atuando em 43 unidades, em nove estados e no Distrito Federal, o ministério precisou tomar providências para enfrentar a pandemia do novo Coronavírus, mas sem deixar de levar a compaixão e graça de Cristo aos que precisam.

Conversamos com o gerente executivo de Assistência Social de Missões Nacionais, Renato Antunes e ele deu detalhes de como está o funcionamento e procedimentos nas Cristolândias pelo Brasil. Leia a entrevista e acompanhe o que está sendo feito.

MISSÕES NACIONAIS: Com a ordem de isolamento social, como está o funcionamento das unidades de triagem e atendimento aos usuários e moradores de rua?

RENATO ANTUNES: Nesse momento, suspendemos as atividades de atendimento nas unidades da Cristolândia que fazem atendimento externo, assim como o processo de triagem que foi paralisado temporariamente.

MN: E os obreiros que trabalham nessas unidades, estão atuando em algum outro lugar?

RENATO: Estes missionários, durante este tempo, estão colaborando com as unidades de acolhimento da Cristolândia. Formamos equipes que possam trabalhar em escalas, mantendo menor exposição dos missionários e dos acolhidos na Cristolândia e ainda deixando a carga de trabalho mais leve para todos. E todos aqueles que estão em grupo de risco, por idade ou portadores de doenças crônicas, foram dispensados das atividades e estão em quarentena, assim como foi orientado pelas autoridades de saúde.

MN: Além desta mudança na escala, que outros procedimentos mudaram nas unidades de acolhimento?

RENATO: Estamos seguindo todas as orientações das autoridades de saúde. Nossos acolhidos foram orientados sobre a COVID-19 e instruídos nos cuidados da higiene pessoal e do grupo. Além de reforço nos itens de higiene, disponibilizamos também álcool em gel em todas as 43 unidades. E a limpeza dos ambientes das unidades está sendo realizada com ainda mais frequência. Com esses cuidados, mantemos a continuidade de todo o processo de restauração desses homens e mulheres, sem colocá-los em risco a este vírus.

MN: As unidades de acolhimento estão recebendo visitas?

RENATO: Nesse momento, seguindo as orientações das autoridades de saúde, as visitas estão suspensas, assim como agendas externas em igrejas e eventos, pois precisamos resguardar nossos acolhidos.

MN: Está havendo algum procedimento de saúde específico, principalmente para aqueles que estão no grupo de risco entre os alunos?

RENATO: Sim. Além dos cuidados necessários já mencionados, estamos mantendo todas as medicações dos alunos em dia. Alguns precisam de medicação específica, que são doadas pelo Ministério da Saúde, então os missionários saem para buscar essas medicações para nada faltar a eles, mas sempre tomando todas as precauções indicadas. Nossa equipe também vem fazendo o acompanhamento diário da saúde dos alunos.

MN: Neste momento de crise, as unidades estão necessitando de doações de algum item específico?

RENATO: A Cristolândia vive da graça de Deus, manifestada através da vida de nossos parceiros fiéis. Nunca faltou nada e tenho certeza de que não faltará, pois Deus está nos sustentando. Nesse momento de isolamento social, dificuldade de locomoção, entre em contato com a Cristolândia mais próxima de você, que a equipe achará uma maneira de buscar sua doação. Nossas necessidades são: arroz, feijão, óleo, açúcar, macarrão, farinha, carne, ovos, frutas, legumes, além de itens de higiene pessoal e material de limpeza. E você também pode se tornar um parceiro deste ministério que transforma vidas ou fazer uma doação em dinheiro, sem sair de casa, neste link: http://missoesnacionais.org.br/envolva-se-doe. Acreditamos que, juntos – ainda que fisicamente separados -, venceremos este desafio e, mais uma vez, o nome de Deus será glorificado.

“Da multidão dos que creram, uma era a mente e um o coração. Ninguém considerava unicamente sua coisa alguma que possuísse, mas compartilhavam tudo o que tinham.” Atos 4:32