Algo é meu para que doe?

Certa vez eu pedi a Deus em oração uma coisa simples: um período de lazer para que eu pudesse caminhar. Fiquei muito feliz porque o Senhor me atendeu e me senti extremamente abençoada. Enquanto caminhava, comecei a perceber a presença de pessoas que precisavam ouvir do amor de Deus, que, na verdade, eram as mesmas para quem eu pregava todos os dias. Então, tentei me convencer de que aquele momento era somente meu, para que eu relaxasse, cuidasse da minha saúde – e eu podia decidir não doá-lo. Mas o meu coração “ardia” em meu peito e entendi que aquele passeio era uma bênção maior do que eu pensava: naquele momento, eu me tornara um canal para que outros também fossem alcançados e foi o que aconteceu. Em um daqueles dias, encontrei com uma mulher que estava muito abatida; parei para conversar com ela, falamos sobre a situação em que se encontrava e de como Jesus podia transformar sua vida. O Espírito Santo a tocou, aquela moça aceitou ajuda e Deus tem operado milagres em sua vida.

Essa experiência me ensinou muito sobre como o agir de Deus em minha vida pode ir além do que eu possa imaginar. O apóstolo Paulo escreve, incentivando os cristãos em Éfeso a glorificarem a Deus: “Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, segundo o poder que opera em nós, a esse seja glória na igreja e em Cristo Jesus por todas as gerações do século dos séculos. Amém.” Efésios 3.20,21.

É maravilhoso saber que Deus tem poder para fazer por nós o inimaginável. Mas o grande desafio é compreender que Ele pode fazer o mesmo por muitas outras pessoas que talvez nunca conheçamos, através da generosidade, como é o caso da contribuição para a obra missionária. O evangelho tem chegado a lugares isolados, novos irmãos são alcançados com compaixão e graça, crianças aprendem sobre Jesus, tudo por meio da oração e de parcerias que garantem o sustento dos projetos missionários.

Acredito que seja natural priorizarmos nossas necessidades e desejos pessoais, quando oramos. A Bíblia nos mostra, em Mateus 6, que o nosso Pai está atento a essas coisas, Ele é o nosso provedor. Aliás, inúmeros versículos afirmam que tudo pertence a Deus. No livro de Salmos está escrito que a Terra e todos os que nela habitam são dele. Em Ageu 2.8 lemos que as riquezas do mundo são de Sua propriedade. E os nossos bens? É o Senhor quem nos dá forças para adquirir, conforme está escrito em Deuteronômio 8.17,18. E o Senhor não age aleatoriamente, Ele tem propósitos. Precisamos buscar entendê-los para que se cumpra a vontade de Deus em nossa vida, o que não quer dizer, entretanto, que não possamos desfrutar dos Seus benefícios; o Senhor apenas nos dá permissão de fazer a escolha do que fazer com o que Ele nos concede.

As dádivas de Deus propiciam oportunidades de participarmos da Sua grande obra. Além disso, elas nos disponibilizam capacitação para cumprir o IDE de Jesus de acordo com o nosso chamado. Assim, quando doamos ou ofertamos, na verdade estamos apenas distribuindo o que Deus nos deu. Não somos doadores, somos distribuidores da graça que atua em nós. Por quê? Porque Ele nos amou primeiro.

Débora Souza

Missionária de Alianças Estratégicas no Rio de Janeiro


Warning: preg_match(): Compilation failed: invalid range in character class at offset 12 in /home/missoesnacionais/www/campanha2020/wp-content/plugins/js_composer/include/classes/shortcodes/vc-basic-grid.php on line 184
  • Tudo
  • Revista do Pastor
  • Revista do Promotor
  • Revista Gratidão
  • Revista Líder de PGM

Multiplicando o amor que recebi do Pai!

“Nós amamos porque Ele nos amou primeiro.” 1 João 4.19 Quando nos reportamos ao início da Igreja de Cristo na terra, nos lembramos que ela nasce sobre o firme e sólido mandamento de “sermos testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria, e até aos confins da terra” (Atos 1.8). Creio que...

Por que fazer campanhas missionárias?

“Pois dou testemunho de que eles deram tudo quanto podiam, e até além do que podiam. Por iniciativa própria eles nos suplicaram insistentemente o privilégio de participar da assistência aos santos.” 2 Coríntios 8.3,4 A campanha (assistência aos santos) referida em 2 Coríntios tinha o objetivo de ajudar os crentes da Judeia em um período...

Como envolver os PGMs em missões?

“Se os pequenos grupos não têm uma proposta para missões, então não servem para a nossa igreja” - Pr. Gilson Breder, em 1999, ao discutir a implantação de PGMs na PIB Campo Grande (MS). Baseado em Mateus 28.18-20, missões é fazer discípulos, que é a razão de um Pequeno Grupo Multiplicador. A ordem é multiplicar...

Como envolver a igreja no levantamento da oferta?

Louvo a Deus pela vida de nossos Promotores de Missões. Aqui, na QIB em Cardoso Moreira, minha amada esposa, a pouca sombra Vanessa, e meu Secretário Executivo, Júlio, são os Promotores de Missões. Eles amam missões e têm carta branca para desenvolverem o trabalho de Missões Mundiais (março a junho) e Missões Nacionais (setembro a...

A ética de fazer a Campanha e não enviar a oferta

Sendo este um tema delicado, rogo a Deus que me conceda a Sua graça para abordá-lo, de modo a alcançar o coração de cada pastor e líder responsável por administrar os recursos levantados pela igreja, para a obra missionária. A obra missionária é o instrumento de Deus para ganharmos o Brasil e o mundo para...

Missões como expressão da igreja local

Porque Ele nos amou primeiro, amamos aqueles que precisam ser amados por nós. A Igreja Batista do Calvário, da qual sou pastor, tem um grande amor por missões. Em primeiro lugar, a igreja reconhece que Deus nos amou primeiro: “Nós amamos porque ele nos amou primeiro” 1 João 4.19. Esse amor nos impulsiona a amar...

Missão de quem?

A divisa da Campanha de Missões Nacionais deste ano, retirada de 1 João 4.19, bem que poderia ser parafraseada em linguagem missiológica: “Nós vamos porque Ele veio primeiro”. Com razão, se fazemos missões hoje, é porque, muito antes de nós, Jesus fez missões ao vir nos salvar. A missão não começa em nós, mas em Deus, que é quem está em missão. Essa verdade é o que os teólogos...

Estratégias para avançar e multiplicar

Fazer missões é algo apaixonante! Não existe nada melhor que possamos fazer por alguém do que apresentar Jesus. Quando fazemos missões, estamos fazendo exatamente isso. Seja no campo, seja através da oração ou da contribuição. Mas nós que temos a responsabilidade de mobilizar as igrejas, também temos grandes desafios e acredito que o maior deles...

Momento missionário sem missionário

O momento missionário é a principal oportunidade para que o promotor informe a igreja acerca do campo missionário. Nesse momento, todo promotor deseja a presença de um missionário para impactar as pessoas e, talvez, influenciar no alcance do alvo de ofertas. Mas, será mesmo imprescindível que um missionário esteja presente nesse momento? Certamente que não!...

Como agir quando o promotor não tem o apoio do pastor

Um dos textos bíblicos de que mais gosto é 2 Coríntios 5.2, onde lemos que somos “Embaixadores do Reino de Deus”. Isso significa que temos a responsabilidade de representar o nosso Rei aqui na Terra. Que responsabilidade! Que honra! E a nossa missão é pregar a mensagem de reconciliação. Uma missão que começou no coração...

Related Posts