A ética de fazer a Campanha e não enviar a oferta

Sendo este um tema delicado, rogo a Deus que me conceda a Sua graça para abordá-lo, de modo a alcançar o coração de cada pastor e líder responsável por administrar os recursos levantados pela igreja, para a obra missionária.

A obra missionária é o instrumento de Deus para ganharmos o Brasil e o mundo para Cristo.

Como líderes, temos a responsabilidade de ensinar que Deus é o dono de todas as coisas: “Do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam” Salmos 24.1. Também devemos ensinar que tudo o que somos e temos pertence ao Senhor e a Ele devemos dedicar o melhor da nossa vida e bens. Deus ordenou ao Seu povo: “Ninguém deve se apresentar diante de mim de mãos vazias” Êxodo 34.20. “Mas quem sou eu, e quem é meu povo, para que pudéssemos te dar alguma coisa? Tudo que temos vem de ti, e demos apenas o que primeiro de ti recebemos!” 1 Crônicas 29.13,14

Somos também chamados de ministros e despenseiros da graça divina à igreja. E qual é a exigência que se faz a quem ocupa, na Igreja de Cristo, essas funções? “Que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus. Além disso requer-se dos despenseiros que cada um seja achado fiel” 1 Coríntios 4.1,2

Encontramos na Bíblia registros de ofertas que foram levantadas com designação específica: Paulo, ao escrever sua segunda carta aos Coríntios, salienta, no capítulo 8, a liberalidade das igrejas da Macedônia, que levantaram ofertas expressivas para ajudar os pobres da Judeia.

Na prisão, o apóstolo recebeu ofertas da igreja em Filipos. Aos líderes e membros dessa igreja se dirigiu dizendo: “Recebi tudo, e o que tenho é mais que suficiente. Minhas necessidades foram plenamente supridas pelas contribuições que vocês enviaram por Epafrodito” Filipenses 4.18.

O que assinalo, ao fazer referência a essas ofertas, mencionadas nas Escrituras, e a outras tantas que poderia enumerar, é que todas foram levantadas para uma finalidade e chegaram ao destino e às pessoas para as quais foram endereçadas.

Não foram desviadas.

É triste saber que assim não tem ocorrido em relação a todas as ofertas levantadas nas Igrejas Batistas no Brasil, designadas para a obra missionária. Temos conhecimento de pastores e líderes de igrejas que deram outro fim às ofertas de missões. E se assim agiram em tempos normais, temo que possam fazê-lo agora, sob a justificativa da queda da receita da igreja. Que levantemos as ofertas missionárias, e que elas sejam de fato encaminhadas para o que constitui a inspiração de Deus ao Seu povo – missões.

Vejam o que está escrito sobre o dinheiro levantado quando o rei Joás mandou reformar o templo em Jerusalém: “Também não pediam contas aos homens em

cujas mãos entregavam aquele dinheiro, para o dar aos que faziam a obra, porque procediam com fidelidade” 2 Reis 12.15. Que o Senhor de missões nos encontre fiéis quanto ao uso dos Seus recursos e quando nos chamar para prestar contas como Seus despenseiros.

Pr. Joás Máximo de Oliveira

Segunda Igreja Batista de Cachoeiro de Itapemirim (ES)


Warning: preg_match(): Compilation failed: invalid range in character class at offset 12 in /home/missoesnacionais/www/campanha2020/wp-content/plugins/js_composer/include/classes/shortcodes/vc-basic-grid.php on line 184
  • Tudo
  • Revista do Pastor
  • Revista do Promotor
  • Revista Gratidão
  • Revista Líder de PGM

Multiplicando o amor que recebi do Pai!

“Nós amamos porque Ele nos amou primeiro.” 1 João 4.19 Quando nos reportamos ao início da Igreja de Cristo na terra, nos lembramos que ela nasce sobre o firme e sólido mandamento de “sermos testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria, e até aos confins da terra” (Atos 1.8). Creio que...

Por que fazer campanhas missionárias?

“Pois dou testemunho de que eles deram tudo quanto podiam, e até além do que podiam. Por iniciativa própria eles nos suplicaram insistentemente o privilégio de participar da assistência aos santos.” 2 Coríntios 8.3,4 A campanha (assistência aos santos) referida em 2 Coríntios tinha o objetivo de ajudar os crentes da Judeia em um período...

Como envolver os PGMs em missões?

“Se os pequenos grupos não têm uma proposta para missões, então não servem para a nossa igreja” - Pr. Gilson Breder, em 1999, ao discutir a implantação de PGMs na PIB Campo Grande (MS). Baseado em Mateus 28.18-20, missões é fazer discípulos, que é a razão de um Pequeno Grupo Multiplicador. A ordem é multiplicar...

Como envolver a igreja no levantamento da oferta?

Louvo a Deus pela vida de nossos Promotores de Missões. Aqui, na QIB em Cardoso Moreira, minha amada esposa, a pouca sombra Vanessa, e meu Secretário Executivo, Júlio, são os Promotores de Missões. Eles amam missões e têm carta branca para desenvolverem o trabalho de Missões Mundiais (março a junho) e Missões Nacionais (setembro a...

Missões como expressão da igreja local

Porque Ele nos amou primeiro, amamos aqueles que precisam ser amados por nós. A Igreja Batista do Calvário, da qual sou pastor, tem um grande amor por missões. Em primeiro lugar, a igreja reconhece que Deus nos amou primeiro: “Nós amamos porque ele nos amou primeiro” 1 João 4.19. Esse amor nos impulsiona a amar...

Algo é meu para que doe?

Certa vez eu pedi a Deus em oração uma coisa simples: um período de lazer para que eu pudesse caminhar. Fiquei muito feliz porque o Senhor me atendeu e me senti extremamente abençoada. Enquanto caminhava, comecei a perceber a presença de pessoas que precisavam ouvir do amor de Deus, que, na verdade, eram as mesmas...

Missão de quem?

A divisa da Campanha de Missões Nacionais deste ano, retirada de 1 João 4.19, bem que poderia ser parafraseada em linguagem missiológica: “Nós vamos porque Ele veio primeiro”. Com razão, se fazemos missões hoje, é porque, muito antes de nós, Jesus fez missões ao vir nos salvar. A missão não começa em nós, mas em Deus, que é quem está em missão. Essa verdade é o que os teólogos...

Estratégias para avançar e multiplicar

Fazer missões é algo apaixonante! Não existe nada melhor que possamos fazer por alguém do que apresentar Jesus. Quando fazemos missões, estamos fazendo exatamente isso. Seja no campo, seja através da oração ou da contribuição. Mas nós que temos a responsabilidade de mobilizar as igrejas, também temos grandes desafios e acredito que o maior deles...

Momento missionário sem missionário

O momento missionário é a principal oportunidade para que o promotor informe a igreja acerca do campo missionário. Nesse momento, todo promotor deseja a presença de um missionário para impactar as pessoas e, talvez, influenciar no alcance do alvo de ofertas. Mas, será mesmo imprescindível que um missionário esteja presente nesse momento? Certamente que não!...

Como agir quando o promotor não tem o apoio do pastor

Um dos textos bíblicos de que mais gosto é 2 Coríntios 5.2, onde lemos que somos “Embaixadores do Reino de Deus”. Isso significa que temos a responsabilidade de representar o nosso Rei aqui na Terra. Que responsabilidade! Que honra! E a nossa missão é pregar a mensagem de reconciliação. Uma missão que começou no coração...

Related Posts