Servir a Cristo é o maior privilégio do discípulo. Quando esse serviço é prestado com alegria e satisfação, a possibilidade de que seja realizado cada vez com mais perfeição é iminente. Afinal, o desejo do coração de um voluntário é agradar o coração de Deus e adorá-lo através de sua dedicação e compromisso com a Obra.

Mas, já reparou que esse tipo de voluntário tem se tornado cada vez mais escasso em nossas igrejas? Não é algo incomum encontrarmos pastores reclamando de que aquela triste realidade, latente há tantos anos em nossas igrejas, também é real em sua comunidade: apenas 20% da membresia é que “carrega o piano” nas costas, de verdade.

Essa realidade me faz refletir sobre as seguintes questões: por que as pessoas não querem servir? Será que, realmente, não querem servir? Por que bons voluntários abandonam suas responsabilidades? Infelizmente, eu mesmo tenho a resposta: Falta de cuidado!

Quando falamos de Relacionamento Discipulador, é necessário entender que ele vai além de mera informação sobre a Palavra ou uma simples amizade. É através do RD que também colocamos em prática o quarto princípio da Igreja Multiplicadora: a formação de liderança. Mas, como sabemos, o discipulado é vida na vida, e, ainda que achemos que o voluntário está pronto e pode ser um ótimo líder, ele precisa continuar sendo amado, acompanhado, aconselhado, enfim, discipulado.

Alguém disse que legado não é o que você faz, mas “quem” você deixa. Baseados nisso, precisamos aprender com Jesus a como cuidar daqueles que estão ao nosso lado e que continuarão aquilo que começamos como ministério, e, para glória de Deus, podem fazê-lo muito melhor que nós.

Dessa forma, assim como Jesus, precisamos primar pela vida espiritual dos voluntários de nossa igreja. Sem vida com Deus nada acontece e nada perdura. O alinhamento com Deus e sua vontade é a base para o sucesso do voluntário e do ministério que tem. Cada pastor e líder, na igreja, precisa ter a verdade expressa por Jesus em João 15 de forma muito clara em sua mente e coração, e praticá-la com sinceridade: Disse Jesus – “Permaneçam em mim, e eu permanecerei em vocês. Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Vocês também não podem dar fruto, se não permanecerem em mim”. Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma”. João 15. 4-5.

Outra forma de cuidar do voluntário é oferecer as ferramentas e recursos necessários para que ele realize a obra que o Senhor lhe confiou e pare de usar como desculpa a falta de dinheiro da igreja. Voluntários bem cuidados não se constrangem em colocar a mão no próprio bolso para investir naquilo que, eles sabem, glorifica a Deus, além do fato de que, quando é de Deus, Ele envia todo o recurso necessário (Salmo 23:1).

Invista na capacitação de seus voluntários, o que pode acontecer nos momentos de RD. Aprendi com o Pastor Gilson Breder, da PIB de Campo Grande, em MS, que é necessário realizar sempre o HDL (Colesterol bom do RD) – Hora, Dia e Local em que você vai solicitar contas a seu voluntário, e, por causa da intimidade desenvolvida no RD, ele não terá dificuldades de prestá-las, porque confia em seu discipulador, líder, pastor. Além disso, envie e promova seminários, congressos, cursos e faça com que os voluntários creiam nessa palavra do apóstolo Paulo: “Não que possamos reivindicar qualquer coisa com base em nossos próprios méritos, mas a nossa capacidade vem de Deus. Ele nos capacitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do Espírito; pois a letra mata, mas o Espírito vivifica.” 2 Coríntios 3. 5-6.

Por fim, cuide dos voluntários de sua comunidade de fé, elogiando, agradecendo e celebrando as vitórias junto com eles. A Bíblia afirma, sim: “Maldito aquele que fizer a obra do Senhor relaxadamente”. Jeremias 48. 10. Devemos ensinar-lhes isso. Mas a gratidão e elogio mostram o quanto, realmente, nos importamos com eles.  Não existe ministério de um só! Não há carreira solo na vida cristã. Precisamos uns dos outros. É por isso que precisamos cuidar dos voluntários, senão, vamos perdê-los mesmo. Voluntários não podem se sentir desvalorizados e desprestigiados. Então, elogie, agradeça e celebre as vitórias, encorajando-os sempre: “Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.” 1 Coríntios 15. 58.

Cuidar dos voluntários é lembrar que, quando estávamos mortos em nossas transgressões e pecados, nossa única esperança era Jesus. Ele nos salvou e agora temos o privilégio de, através de nosso serviço ministerial, continuar anunciando essa verdade a outros… afinal, fomos salvos para servir.

Tiago Lopes Pedro Pastor da PIB Campo Grande – Cariacica (ES)

Compartilhe nas redes sociais:
Cuidando do voluntário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *